Biden pede que americanos deixem a Ucrânia e alerta que não mandará tropas de resgate


Instrutor militar ensina civis a usar coquetéis molotov durante uma sessão de treinamento em uma fábrica abandonada na Ucrânia Foto: Sergei Supinsky/AFP

Porto Velho, RO -
O presidente dos EUA, Joe Biden, disse nesta quinta-feira, 10, que os cidadãos americanos na Ucrânia devem deixar o país imediatamente. Ele garantiu que não pretende enviar soldados para resgatar aqueles que queiram esperar uma invasão russa para fugir.

“Os cidadãos americanos devem sair agora”, disse em entrevista à NBC News. “Não é como se estivéssemos lidando com uma organização terrorista. Estamos lidando com um dos maiores Exércitos do mundo. É uma situação muito diferente, e as coisas podem sair do controle rapidamente.”

Questionado se haveria algum cenário em que a Casa Branca possa enviar tropas para o resgate de americanos, Biden foi claro. “Não há. Quando os americanos e russos começam a atirar um contra o outro é guerra mundial”, afirmou. “Estamos em um mundo muito diferente de antes.”

Há semanas o Departamento de Estado americano aconselha os americanos na Ucrânia a deixar o país. No final de janeiro, o governo dos Estados Unidos ordenou que as famílias de seus diplomatas deixassem Kiev. Segundo o governo americano, a medida era resposta a uma "ameaça persistente de uma operação militar russa" na região, informou o Departamento de Estado à época.

O Reino Unido também começou a retirar funcionários de sua embaixada em Kiev ainda em janeiro, reduzindo pela metade o efetivo, segundo a emissora pública BBC, embora funcionários do governo de Boris Johnson tenham afirmado à época que não houve nenhuma ameaça específica contra cidadãos britânicos no país.

Rússia e EUA estão em estado de conflito desde que Moscou posicionou mais de 100 mil soldados perto da fronteira com a Ucrânia. A Rússia afirma não planejar invadir o país vizinho, mas exige garantias do Ocidente de que a Otan não permitirá que Kiev e outras ex-nações soviéticas se juntem à aliança militar ocidental.

Apesar de intensos esforços diplomáticos para impedir uma guerra na região, milhares de tropas enviadas por Moscou à Belarus praticam exercícios militares. Comboios de sistemas de mísseis antiaéreos russos foram avistados ao longo de estradas cobertas de neve, como parte das manobras.

A Otan e seus membros também estão em movimento, indo para as fronteiras orientais da aliança. O Reino Unido posicionou mil soldados de prontidão para responder a uma possível crise humanitária na Europa Oriental se a Rússia de fato invadir a Ucrânia. O país também está enviando centenas de tropas para a Estônia e a Polônia como parte de uma demonstração de força da Otan.

Os Estados Unidos estão enviando navios para águas europeias. A Marinha não vinculou diretamente o envio de quatro destróieres à crise da Ucrânia, mas disse que fornecerá “flexibilidade adicional” ao comandante da Sexta Frota dos EUA, cuja área de responsabilidade inclui o Mediterrâneo, e operará em apoio aos aliados da Otan. /AP
Postar um comentário (0)
Postagem Anterior Próxima Postagem