Prova de vida não será mais feita presencialmente, anuncia presidente do INSS

Governo federal vai consultar bases de dados para detectar 'movimentos' de cidadãos

Porto Velho, RO - 
O presidente do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), José Carlos Oliveira, anunciou nesta quarta-feira que aposentados, pensionistas e outros titulares de benefícios não terão que fazer mais a prova de vida presencialmente.

De acordo com Oliveira, esse trabalho será feito pelo próprio governo, que consultará bases de dados públicas e privadas para saber se a pessoa continua viva.

O anúncio foi feito durante cerimônia no Palácio do Planalto, na qual o presidente Jair Bolsonaro assinou uma portaria com as novas regras. A prova de vida tem o objetivo de evitar fraudes no pagamento de benefícios.

— A partir de agora, a obrigação de fazer a prova de vida é nossa, do INNSS. Como faremos? Com todas as bases de todos os órgãos do governo — discursou Oliveira. — Nós faremos a busca dessas bases, tanto no governo federal, estadual e municipal, e também em entidades privadas.

O presidente do INSS citou, entre as bases de dados que serão consultadas, a renovação da carteira de identidade ou do passaporte ou o registro de votação.

Caso o governo não encontre um "movimento" do cidadão, uma equipe irá até a casa do beneficiário para realizar a prova de vida. Essa operação será feita por meio de parcerias, uma delas com os Correios, segundo Oliveira.

— Se caso nós não encontramos um movimento do cidadão em uma dessas bases, mesmo assim o cidadão não vai precisar sair de casa para fazer a prova de vida. O INSS proverá meios, com parcerias que fará, para que essa entidade parceira vá na residência e faça a captura biométrica na porta do segurado.

Fonte: O Globo
Postar um comentário (0)
Postagem Anterior Próxima Postagem