El Toro: como Botafogo achou Erison, melhor reforço até aqui, no pior time da Série B em 2021

Atacante começou nos campos de Cosmópolis (SP) e só ganhou a primeira chance 'séria' no futebol aos 18 anos

Porto Velho, RO
- “Uh! El Toro!”. O grito, que já virou mania entre os alvinegros, é a forma que os torcedores gostam de comemorar os gols do artilheiro Erison. Maior goleador do Botafogo no Campeonato Carioca e no Brasileirão, com, respectivamente, oito e dois gols — estes marcados na vitória do último domingo contra o Ceará, no Castelão —, o camisa 89 é, entre os reforços de toda a temporada, o que mais deu frutos até o momento.

O apelido de touro, colocado pelos alvinegros por causa da força física e da velocidade, duas das principais características de Erison, foi abraçado pelo próprio atacante, que imita o animal nas comemorações. Mas pouca gente sabe que, em cada celebração, uma pessoa especial é homenageada pelo jogador: sua mãe, Dona Aparecida.

Erison, 23 anos, não tem o nome do pai na certidão de nascimento. Ele foi criado somente pela mãe em Cosmópolis, no interior de São Paulo, onde nasceu. Amante de futebol, o atacante costumava jogar descalço nos campos da cidade e sonhava com o dia em que poderia marcar um gol por um grande clube. Anos depois, conquistou seu lugar ao sol.

Destaque no Brasil-RS

O caminho não foi fácil. O atacante só começou a jogar de maneira mais “séria” aos 18 anos, quando foi aprovado no XV de Piracicaba. Antes, distribuiu folhetos nas ruas, colheu frutas e trabalhou com o avô como ajudante de pedreiro. Mais uma história de como o futebol consegue fazer com que um jovem consiga ascender socialmente e ajudar os familiares.

Após a oportunidade no XV de Piracicaba, Erison passou pelo Figueirense e disputou a Série B da temporada passada pelo Brasil de Pelotas.

Mesmo com o clube gaúcho fazendo uma campanha fraca, que terminou com o rebaixamento para a Série C, o atacante chamou a atenção. Em 17 jogos como titular, Erison marcou oito vezes, incluindo um gol sobre o Vasco em São Januário.

Enquanto ainda estava em negociação da venda da SAF para John Textor, o Botafogo buscava investimentos pontuais. Foi assim que Erison chegou, junto do zagueiro Klaus, dos volantes Breno e Fabinho — o primeiro está no time B e o segundo emprestado para o Sport — e do atacante Vinicius Lopes, que entrou no segundo tempo contra o Ceará.

Dentre todos os reforços, Erison é, até o momento, o que mais deu resultados ao time. Além de gols importantes, como os da vitória no último domingo e nos clássicos contra Vasco e Fluminense, o atacante também ajuda a equipe ao sair da área e abrir espaço e dar assistências para os companheiros, como fez para Victor Sá na Arena Castelão.

— O mister (Luís Castro) sempre cobra intensidade, mas isso é para o melhor da nossa família, como ele diz. Estamos todos focados no mesmo objetivo — disse o atacante.

Pelo menos até julho, quando abre a segunda janela de transferências no futebol brasileiro, Erison deve ser o centroavante titular do Botafogo. Até lá,o torcedor alvinegro espera do atacante exatamente o que ele tem entregue: gols e comemorações imitando um touro.


Fonte: O GLOBO
Postar um comentário (0)
Postagem Anterior Próxima Postagem