‘Novo pré-sal’ vai turbinar plano de investimentos da Petrobras até 2027

Estatal aposta em novo Plano Estratégico de 2023 até 2027 para contemplar a modernização de refinarias e ter um olhar mais atento para energia limpa

Porto Velho, RO - Plano Estratégico 2023-2027 da Petrobras virá mais forte que o anterior, turbinado pela a incorporação dos investimentos necessários à exploração da Margem Equatorial, fronteira tratada como um possível “novo pré-sal”. Essa é a principal aposta da estatal para aumentar suas reservas de petróleo.

Além da nova fronteira, o plano deve contemplar a modernização de refinarias e ter um olhar mais atento para energia limpa. Com isso, a estatal planeja adaptar suas refinarias à produção de biocombustíveis de alto valor agregado, tipo o bioqueresene de aviação, e também reforçar investimentos na descarbonização da produção e em estudos para projetos em energia eólica offshore destinada à produção de hidrogênio verde.

“Do ponto de vista de transição energética, a gente pretende prosseguir consistente com aquilo que já fizemos: olhar projetos de descarbonização com o objetivo de desenvolver produtos renováveis e obviamente buscando a transição por meio da diversificação rentável, ou seja, quais novos negócios ou atividades a Petrobras pretende priorizar com vistas a um universo de longo prazo”, afirmou recentemente o diretor de Governança e Conformidade da estatal, Salvador Dahan, sobre o novo plano.

Para o ex-presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) e professor da UFRRJ, Maurício Tolmasquim, uma maior atenção da Petrobras a fontes renováveis é bem-vinda, sobretudo se direcionada à eólica offshore, já que a companhia domina boa parte da infraestrutura logística para atuar em alto mar.

“Mas não adianta ser uma previsão simbólica, tem de ser um montante que permita à Petrobras recuperar o tempo perdido. Ela já está atrás na corrida pela energia renovável no Brasil, sendo a grande ausência na notificação de interesse por áreas (no mar) para eólica offshore ao Ibama”, observa Tolmasquin.

O especialista lembra que, motivadas pela transição energética, grandes petroleiras como Shell, Total e Equinor têm feito esforços para se converter em empresas de energia limpa no longo prazo, meta que a Petrobras já teve fortemente associada a biocombustíveis, mas que ficou em segundo plano nos últimos anos.

Foi por causa do pré-sal que os investimentos da estatal deram um salto na década passada, para mais de US$ 200 bilhões, encolhendo posteriormente para menos da metade deste valor no plano formulado em 2016, devido ao alto endividamento da companhia. Nos últimos sete anos, o total investido nunca ultrapassou os US$ 100 bilhões. As projeções indicam que os aportes devem continuar abaixo desse patamar, apesar de tenderem a ser maiores em comparação com o plano anterior, avaliam especialistas.

No plano anterior (2022-2026) a previsão era de investimentos de US$ 68 bilhões. Desse montante, U$ 57,3 bilhões estavam previstos para exploração e produção (E&P), dos quais menos de 10%, US$ 5,5 bilhões para exploração, a maior parte nas bacias do Sudeste (58%), mas também da Margem Equatorial (38%). Essa frente deve ser reforçada este ano, puxando o investimento total para cima.

O Estadão/Broadcast apurou que o plano 2023-2027 da estatal também deve deixar para trás a previsão de apenas uma nova plataforma de exploração e produção em 2022 (FPSO Guanabara), para inserir mais unidades até 2027, o que vai elevar o valor dos investimentos. O número final, no entanto, ainda não foi finalizado, e continua em discussões técnicas antes de ser apresentado ao Conselho de Administração da companhia.

Fontes da companhia confirmaram que a exploração da Margem Equatorial vai receber atenção especial. A licença para perfuração do primeiro poço é esperada para novembro, após teste de simulação para provar ao Ibama que a empresa tem condições de conter eventual derramamento de petróleo. Hoje o investimento reservado para a nova conquista até 2026 é de US$ 2 bilhões, volume que tende a ser incrementado no próximo plano.

A empresa planeja, assim como em outros locais nos quais atua, desenvolver projetos sócio-ambientais na região, que também deverão constar no plano, como informou ao Broadcast o gerente executivo responsável pela área, Mario Carminatti.

Na exploração e produção da nova fronteira serão adotadas tecnologias que utilizam algoritmos de última geração; inteligência de dados e computadores de alto desempenho (HPC); ampliação da operação remota, que prometem reduzir riscos ambientais, o que pode elevar os investimentos da estatal nos próximos anos.

Iniciativas de baixo carbono

Os esforços de descarbonização devem ser reforçados, mas sem grandes mudanças na ordem de prioridade. No plano divulgado no fim do ano passado, essa “frente de baixo carbono” teria investimento de US$ 2,8 bilhões em cinco anos, sendo pouco mais de R$ 2 bilhões, para a descarbonização das operações atuais, e apenas R$ 730 milhões para desenvolvimento de biocombustíveis e pesquisa e desenvolvimento em energias renováveis com vistas à “diversificação rentável” em novos negócios. Fontes da companhia e agentes de mercado esperam que essa última frente seja reforçada, ainda que não a ponto de ocupar papel de destaque nas finanças da Petrobras.

Segundo um consultor que presta serviço à Petrobras, a companhia deve preparar um plano “resiliente e flexível” ao resultado das eleições. A estratégia da companhia, diz ele, deve sofrer ajustes finos a depender do próximo presidente, mas não mudará no essencial, que é o enfoque crescente em exploração e produção, negócio principal da estatal.

A fonte confirma o aumento de investimento para fazer frente à campanha na Margem Equatorial, mas, também, para aumentar o rendimento do pré-sal. Em paralelo, diz o consultor, a companhia deve perseguir papel relevante na transição energética, mais centrada na descarbonização da cadeia que já domina, em vez de investimentos decisivos em energia renovável. Estes projetos devem aparecer no plano, mas ainda na condição de estudos.

“Não vamos ver a Petrobras investindo em (energia) solar e eólica como faz a Shell. O core vai continuar a ser petróleo e gás e seu processamento. Então a política ESG (governança ambiental, social e corporativa, em inglês) ainda deve observar mais esse universo”, afirma uma fonte. A empresa, porém, deve indicar no PE 2023-2027 os primeiros passos para uma possível parceria com a norueguesa Equinor para gerar energia eólica offshore, avaliou.

De fato, segundo o diretor Relacionamento Institucional e de Sustentabilidade, Rafael Chaves, os pilares do novo plano estratégico já têm norteado anúncios recentes da companhia.

“O anúncio (de comercialização) do diesel R5 (5% renovável) mostra que o biorrefino é estratégico para a Petrobras, área em que a gente vai continuar investindo”, disse. “A gente já tem declarado que vai fazer uma planta dedicada para explorar o mercado de querosene de aviação baseado em conteúdo renovável.”

Segundo Chaves, não há hierarquia na frente de sustentabilidade do plano, mas “três dimensões diferentes” que se equivalem: descarbonização do barril, o biorrefino, e a preservação de florestas e reflorestamento como apoio à essa agenda. “O biorrefino está mais maduro, mas todas (essas dimensões) são promissoras, seria prematuro dizer que uma virá em detrimento da outra”, afirmou.

Um ponto de estresse da preparação do plano é a estratégia para o tamanho e nem tanto a natureza do parque de refino. Isso porque há clara polarização entre os dois candidatos à presidência: o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tende à manutenção e até recompra de refinarias, enquanto o governo atual indica preferência pela venda desses ativos.


Fonte: Estadão
Postar um comentário (0)
Postagem Anterior Próxima Postagem